terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Um toque feminino no poder: Aida Hoffer é a presidente da Câmara de Vereadores em 2017

Atual recordista com três mandatos seguidos como vereadora em Lages, Aida mostra otimismo para o ano como chefe do Legislativo

Qualquer lageano pode dizer que Aidamar Seminotti Hoffer ou simplesmente Aida é uma mulher que faz parte da história de Lages, afinal, pela primeira vez a Câmara Municipal de Vereadores tem como presidente uma representante do sexo feminino. Esta é apenas mais uma das conquistas na trajetória desta catarinense, nascida em São Joaquim, no dia 29 de maio de 1961.
Filha de pais gaúchos que vieram para solo catarinense devido o Ciclo da Madeira (a partir de 1930 em Santa Catarina), Aida não tardou a sair de casa. O motivo: o desejo de se formar em uma faculdade. O sonho inicial era ser advogada, mas como Lages ainda não oferecia este curso, a menina de 17 anos optou por ingressar na Pedagogia na Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac). Ela se encontrou na área e atuou por 33 anos, até se aposentar como servidora concursada do município, com especialização em Educação e Orientação Educacional, e mestrado, no qual discorreu sobre a participação da mulher na política lageana.
Em Lages, Aida também encontrou o amor. Casou com Odilson da Silva Hoffer (in memoriam), de cuja união gerou duas filhas: Georgia e Jamille. Posteriormente ao falecimento do primeiro marido, um novo parceiro surgiu na sua vida - Arildo Tadeu da Silva - que já a acompanha há 16 anos e a quem ela se refere como um grande companheiro.

Uma líder nata na Educação

Desde quando ingressou no magistério municipal em 1981, Aida mantém uma postura dinâmica e inquieta em relação às áreas que permeiam a Educação. Esta atitude, somada a personalidade forte e marcante, oportunizou que ela concorresse na primeira eleição para diretores da rede municipal de ensino em Lages, promovida em 1982 pelo então prefeito Paulo Duarte. Na primeira eleição, a primeira vitória: Aida era a nova diretora da escola municipal de educação básica Emília Furtado Ramos, feito repetido por mais dois mandatos.
Após nove anos como diretora da escola, Aida Hoffer assumiu a direção da Associação Municipal dos Professores e, em seguida, foi vice-presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sindserv), que na época também abrangia os professores como associados. A experiência nos bastidores do sindicalismo mostrou à Aida que a Educação precisava ser tratada de maneira diferenciada. Em 1997, ela foi uma das fundadoras do Sindicato Municipal dos Profissionais em Educação de Lages (Simproel) e eleita sua primeira presidente.
As muitas batalhas em prol dos professores tornaram Aida um nome conhecido no meio educacional em Lages. Em 2001, surgiu o convite para ser secretária municipal de Educação na gestão do então prefeito Raimundo Colombo. Esta foi uma conquista pessoal e coletiva para ela, uma vez que era um anseio dos professores que o gestor da pasta de Educação fosse um servidor de carreira no município (até então ocupavam o cargo outros políticos ou professores do estado). Aida permaneceu na função até 2004, quando passou a atuar na escola itinerante.

O início de uma vitoriosa vida pública

A necessidade e o amadurecimento da categoria dos professores em eleger seus representantes somados ao histórico de lutas de Aida no segmento resultaram na sua escolha como candidata a vereadora nas eleições de 2008 e o consequente êxito, sendo a terceira mais votada com 2.828 votos. “Foi até uma surpresa, porque eu não tinha esta experiência da campanha, mas por ser sempre inquieta, combativa, querendo mais, atendendo bem as pessoas, tivemos uma boa aceitação”, disse. O sucesso se repetiu em 2012, na qual novamente ocupou o terceiro posto em votos para vereador com 2.169, e em 2016, com a terceira eleição consecutiva – recordista entre os atuais legisladores de Lages - 1.772 votos e a 4ª posição no pleito eleitoral.
A vida pública é mais uma realização na vida de Aida. “O que me realiza na política é estar no meio das pessoas, poder ajudá-las e dar encaminhamentos ao que elas precisam, além de todo o trabalho de uma vereadora que é legislar e fiscalizar as ações do Executivo”, conta. Como frustações neste meio, ela disse não se sentir devidamente respeitada como vereadora quando seus anseios confrontavam os interesses das administrações anteriores. “Em oito anos como vereadora de oposição, eu tentei fazer um trabalho com responsabilidade, combativo, fiscalizando, cobrando, mas por esta postura fui muito perseguida pelos prefeitos”, afirma Aida.

Enfim, uma mulher a comandar a Casa do Povo

O resultado das eleições de 2016 representou uma mudança na trajetória política de Aida. Uma vez filiada ao Partido Social Democrático (PSD), o mesmo do atual prefeito Antônio Ceron e do governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, agora os mandatários do município estavam ao seu lado e prepararam o terreno para que ela pudesse ser eleita, de maneira unânime entre os seus pares, a primeira presidente mulher na história da Câmara de Lages. “Esta é mais uma conquista para as mulheres na política. Até então, nunca uma mulher havia ocupado este espaço de poder”, comemora.
Outras 12 mulheres foram eleitas vereadoras na história da Câmara de Lages. Aida cita o exemplo da professora Elza Moretto, que também atuou por três mandatos, mas nunca teve esta oportunidade. “O meio político é muito machista. Quando uma mulher é eleita é muito mais uma conquista individual, fruto do trabalho delas, do que um investimento dos partidos. Sendo a primeira presidente, espero estar abrindo o caminho para que outras vereadoras também possam vir a estar aqui”, acredita Aida, que pretende trazer neste ano para Lages algumas palestras ou seminários que reforcem a participação das mulheres na política. “Precisamos encorajá-las para que lutem cada vez mais por este espaço de poder, não apenas como colaboradora de votos, mas como protagonistas na história da política lageana”, reflete.

“Trabalho sério, honesto e de respeito às pessoas”

Como marca a ser impressa a frente da presidência da Câmara, Aida Hoffer pretende desenvolver um trabalho sério, honesto e comprometido com a comunidade lageana. “Uma gestão com muito respeito ao dinheiro público, enxugando e cortando gastos, aplicando no que realmente for necessário para que o vereador consiga fazer o melhor trabalho possível. Fazendo o seu melhor, o vereador consegue atingir ao anseio da população que espera de todos os políticos um trabalho sério, honesto e de respeito às pessoas”, argumenta a presidente, que neste começo de trabalhos já adota como uma prática reuniões periódicas com os demais vereadores a fim de compartilhar as decisões do poder. Ela também deu início à reforma da estrutura física da Câmara e pretende modernizar a comunicação da Casa com a transmissão das sessões deliberativas através dos smarthphones.
Aida tem uma expectativa muito positiva em relação aos companheiros da 18ª Legislatura e diz ver nos demais vereadores o compromisso para mudar a visão que se convencionou atribuir aos políticos. “Eu acredito, confio e estamos trabalhando fortemente para isso. Não é uma coisa que vai mudar do dia para a noite, as pessoas precisam primeiramente ver o trabalho, sentir que houve mudança, para passar a ter um respeito maior nos vereadores e crer no trabalho. Mas é o empenho de todos os vereadores da 18ª legislatura fazer um trabalho sério para resgatar esta credibilidade”, finaliza.

Vereadoras em Lages:

Wilma Machado Carrilho – 4ª Legislatura (1959-1963)
Margarida Berwing Matiotti – 8ª Legislatura (1973-1977)
Terezinha Benvinda Fornari Carneiro – 9ª Legislatura (1977-1983)
Nilda Rodolfo Carnevalli – 11ª Legislatura (1989-1992)
Maria Lucia Mendes Furtado – 12ª Legislatura (1993-1996)
Elza Marina da Silva Moretto – 12ª a 14ª Legislatura (1993-2004)
Carmen Emília Bonfá Zanotto – 14ª Legislatura (2001-2004)
Elenice Borba da Silva – 14ª Legislatura (2001-2004)
Maria de Lourdes Reche de Ávila – 14ª Legislatura (2001-2004)
Maria Cristina Mazzetti Subtil – 15ª Legislatura (2005-2008)
Mayra Graziele 

Nenhum comentário:

Postar um comentário