sexta-feira, 24 de março de 2017

Coruja diz que o parlamento não pode ser comandado pelo executivo

Na sessão de hoje da Ordem do Dia, que colocou em votação cinco vetos do governador Raimundo Colombo a Projetos de Lei aprovados pelo plenário, o deputado Fernando Coruja disse que "o parlamento deve reagir contra as imposições do  governo do estado, que justifica seus vetos com  motivos frágeis, em análises que demonstram desconhecimento constitucional  e total despreocupação social, se apegando no formalismo". Coruja, que  tem  utilizado o seu conhecimento constitucional para fazer a análise dos vetos,  diz que "os motivos que o governador apresenta não prosperam no direito brasileiro: procura inconstitucionalidade onde não existe".
Coruja se manifestou dizendo que "o mínimo de dúvida deve ser suficiente para nos levar a derrubar o veto do governador, não podemos aceitar as análises da procuradoria como definitivas, já que elas se repetem em muitos casos, dando a impressão de que foram utilizadas as teclas ctrl c /ctrl v (copia e cola)".
Analisando a postura do parlamento em nosso país, Coruja disse que, de uma forma geral,  é de submissão "nós aqui precisamos reagir contra esta imposição da procuradoria e do governo do estado".  E conclamou os seus pares ao debate, dizendo que na vida pessoal é de poucas palavras "mas aqui no parlamento sou a favor do debate e vou continuar expondo as minhas ideias, para criar boas leis, porque sou contra a ficar de joelhos, chancelando os vetos que vêm da procuradoria". 



Nenhum comentário:

Postar um comentário