quarta-feira, 10 de maio de 2017

Intestino é vilão no Brasil

  
Câncer de Intestino é um vilão no Brasil                             

Por Dr. Flavio A. Quilici
Presidente da Federação Brasileira de Gastrenterologia


Um documento da  World Cancer Report , com respaldo da International  Agency  for Research on Cancer (Iarc), e da Organização Mundial da Saúde (OMS), trata o câncer como uma doença que pode ser considerada um problema de saúde pública mundial. Atualmente mais de 8 milhões de pessoas morrem por  ano por causa do câncer em todo o mundo e o problema se agrava nos países em desenvolvimento por falta de políticas de saúde públicas para tratar a doença.  Só em 2016, segundo o INCA - Instituto Nacional do Câncer, o Brasil registrou mais de 500 mil novos casos da doença em suas variações, e entre eles está o câncer de intestino, um vilão para o país.

Dados do INCA apontam que no Brasil o câncer de intestino é o terceiro mais incidente entre os homens, e o segundo entre as mulheres, além de ser o quinto tipo de câncer que mais mata no país. As regiões Sul e Sudeste concentram quase 50% de todos os casos de câncer de intestino registradas no Brasil, um dado alarmante que pode ser revertido com prevenção e busca por diagnostico precoce. Embora não haja qualquer verdade absoluta sobre as causas da doença, as pesquisas indicam que a má alimentação é um fator considerável para o aparecimento do câncer de intestino.

Consumir alimentos naturais ai invés de industrializados, é o primeiro passo da prevenção. As frutas, verduras, legumes e carnes brancas devem ser prioridade nas refeições, e sempre em quantidades adequadas. Já frituras, gorduras, alimentos embutidos e defumados recomenda-se manter fora de uma dieta preventiva e saudável para o organismo. O excesso de bebidas alcoólicas, o cigarro, e o alto consumo de sal também devem ser evitados.


Outras atitudes como não ficar longos períodos de jejum, a ingestão de dois a três litros de água por dia, a boa mastigação dos alimentos, a prática de atividades físicas regulares podem evitar que os índices de câncer de intestino no Brasil continuem tão altos. Além disso, visitas periódicas ao médico que, poderá identificar sintomas e solicitar exames complementares e  encaminhar a um especialista  da área, é uma atitude essencial para o diagnostico precoce e a busca mais eficaz pela qualidade do paciente com o diagnóstico de câncer de intestino.

Nenhum comentário:

Postar um comentário