quarta-feira, 28 de junho de 2017

Carmen Zanotto anuncia a criação de frente para tratar da prevenção e tratamento do diabetes


 
A deputada federal Carmen Zanotto (PPS-SC), vice-líder do partido na Câmara, anunciou nesta terça-feira (27), a criação de uma frente parlamentar para tratar de prevenção e tratamento do diabetes. A ideia surgiu durante o seminário que debateu na Comissão de Seguridade e Família a implantação de política nacional de prevenção da doença, prevista no Projeto de Lei de 6754/13.
 
A parlamentar disse que a frente será um fórum permanente de discussão na Casa das questões relacionadas não somente às ferramentas legislativas, mas também para dar resposta às reivindicações dos pacientes, principalmente aqueles que precisam receber atendimento no SUS (Sistema Único de Saúde).
 
“A frente vai tratar desde assuntos ligados à prevenção, diagnóstico e até a incorporação de protocolos para liberação de novos medicamentos para o tratamento dessa doença, que afeta mais de 16 milhões de pessoas no Brasil”, afirmou Carmen.
 
Acredita-se que número igual de brasileiros não sabe que tem diabetes. Em estado avançado, a enfermidade pode afetar a visão e os rins e até provocar hipertensão arterial e a amputação dos membros inferiores.
 
Carmen informou que a frente também terá o papel de fazer uma interface do Legislativo com as autoridades de saúde e a sociedade civil.
“Agora, a grande demanda é a implantação, no âmbito do SUS, de novas medidas relacionadas à doença, como distribuição em todo o país das insulinas rápidas”, disse a deputada, que é autora do requerimento para a realização do fórum e relatora do projeto, que no momento aguarda deliberação da Comissão de Constituição e Justiça.
 
O diabetes em estado avançado pode afetar a visão e os rins e até provocar hipertensão arterial e a amputação dos membros inferiores.
 
Experiência italiana
 
Além de especialistas e de representantes de entidades ligadas à causa dos diabéticos, o fórum de debates contou com a participação da deputada ítalo-brasileira Renata Bueno, que falou, por videoconferência, da experiência, considerada exitosa, daquele país no atendimento dos pacientes. Criado há 30 anos, Renata informou que o Plano Nacional de Assistência aos Diabéticos inclui desde informação, prevenção, diagnóstico e tratamento e já é adotado pelos países da Comunidade Europeia.
 
Ela informou que o tratamento do diabetes na Itália é totalmente gratuito e custeado por um fundo, que foi criado pelo Parlamento especificamente com esse objetivo.
 
Obesidade e pobreza
 
Todos os palestrantes alertaram para o crescimento dos casos de diabetes no país e no mundo. Segundo eles, o avanço da enfermidade crônica está relacionada com o aumento da obesidade. “O sobrepeso é uma epidemia mundial”, disse Sandro Martins, coordenador-geral de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas do Ministério da Saúde.
 
Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) de 2014 estimam que mais de 400 milhões (8,5%) de pessoas convivam com diabetes, sendo que a desigualdade social e a falta de informação, inclusive no Brasil, colaboram negativamente para o aumento da doença.
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário