quarta-feira, 5 de julho de 2017

Brasil em estado de falência

Falência no Brasil
Nos primeiros meses desse ano o Brasil registrou um tímido recuo no número de falências decretadas. A mudança percebida em um estudo realizado pela Boa Vista Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) com abrangência nacional mostra que no primeiro quadrimestre houve redução de 1,6%. No entanto, considerando os últimos 12 meses, os dados mostram elevação de 11,5%.
Os pedidos de falência acompanham a mesma tendência. De janeiro a abril ocorreu um recuo de 15%, porém, no último ano o levantamento mostra aumento de 0,2%.
Em Santa Catarina um dos setores mais atingidos pela instabilidade nacional é o da construção civil. Entre as construtoras e empreendedoras catarinenses houve um acréscimo considerável na quantidade de pedidos de falência e de recuperação judicial. Em 2013 eram 322, no último ano fora 639 solicitações.
Esse comportamento escancara o impacto da crise e atinge diretamente a população. Além da insegurança gerada pelo fechamento de empresas, outros aspectos extremamente negativos podem ser observados como, por exemplo, o aumento da quantidade de desempregados e consequente esfriamento da economia.
Como forma de tentar reverter o encerramento das atividades e honrar com os compromissos financeiros, muitos empresários recorrem à recuperação judicial. Esse é um modo de tentar reequilibrar o orçamento, preservando o negócio, mantendo a produção e resguardando os postos de trabalho. Desse modo, a alternativa teve adesão 270% maior em 2016, um reflexo da fragilidade dos negócios brasileiros.
A falência deve ser vista como o último recurso, de grande impacto e extremamente prejudicial para toda a sociedade, mas mesmo assim necessária. Por fim, mesmo que instável, o momento é de leve otimismo e recuperação, com aumento progressivo do crédito e crescimento do consumo. Aos empresários que ainda sofrem os reflexos do período difícil, é essencial buscar por soluções o quanto antes. Nesse sentido, a assessoria jurídica qualificada é essencial para encontrar saídas ou minimizar os aborrecimentos.

Pedro Augusto Neves da Fontoura, advogado especialista em Gestão Financeira Empresarial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário