Rádio Gazeta On line

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Adestramento ajuda a resolver problemas de comportamento dos cães


Lages- Proprietários de cães têm papel preponderante no comportamento dos animais. Muitos avaliam a necessidade de adestrar como último recurso. Independente disso, o trabalho do adestrador cumpre uma função específica que visa facilitar o controle dos cães nos ambientes e com as pessoas com quem eles vivem, com mais interação. E o que vêm a ser está interação? É o falar com o animal de forma humanizada; olhar para seu cão; tocá-lo; falar com ele nos momentos em que ele está tendo o comportamento indesejável. Por exemplo, quando você chega em casa e seu pet se urina ou pula muito sobre você, e a proposta é o proprietário tentar interagir falando, apaziguando, até acalmar o cão. “Assim estará interagindo e aumentando o comportamento afetivo no momento e no próximo encontro”, ressalta Cláudio.
No tocante ao exercício do adestramento, qualquer interação mal conduzida pode influenciar o comportamento do seu pet. Tais problemas de comportamento se resolvem em muitos casos.  Nas aulas são aplicadas técnicas baseadas em reforços positivos e conhecimento da cinologia canina que levam ao condicionamento. Neste processo todo é muito importante fazer para que o cão gaste energia, pois, muitos comportamentos indesejáveis se originam através da falta de exercícios gerando stress e desvios de comportamento. Seja como que for, os problemas de comando a partir de um bom adestramento resolvem em quase 100% dos casos. Por outro lado, de acordo com o adestrador Cláudio Junqueira, quando o proprietário procura um profissional para adestrar o seu cão, ele precisa ter a consciência de que grande parte do sucesso das técnicas vai depender dele.
 Cláudio que é também médico veterinário, desenvolve a técnica do adestramento desde 1997. Desde então, por suas mãos, passaram em torno de 500 animais. A técnica praticada por ele desenvolve o treinamento básico da obediência, e que, a partir do trabalho pode-se direcionar o animal para outras modalidades de adestramento, como a de guarda; a esportiva, que é conhecida como Agility e praticada com o animal e o tutor; de pastoreio, entre outras. Todo o trabalho de adestramento, inclusive, com aplicação de métodos de origem alemã e francesa, por exemplo, é feito na Clínica Veterinária Beija Flor, onde Cláudio atua, no bairro Beatriz. “Não existe milagres. Por isso a necessidade de se fazer um trabalho conjunto, entre adestrador e o proprietário”, reforça.
Ainda conforme explica o adestrador, a presença constante do proprietário, uma vez que é ele quem fica a maior parte do tempo com o cão. A projeção é de que o animal passe com o adestrador, uma hora, três vezes por semana, e o restante do tempo fica com o dono. Nas aulas, são aplicadas aos animais as mais diversas técnicas que ele possa aprender, que nada mais são as de condicionamento. O trabalho se desenvolve por pelo menos três meses, exceto se o animal é treinado todos os dias. Conforme Cláudio, ele também treina o animal na rua, lugar em que ele irá encontrar estímulo, os quais terá pelo resto da vida, como barulhos de carro, de outros animais encontrados na rua, de maneira geral, e de pessoas em diversas situações. “O resultado final é ótimo. Pois, o animal passa por todos os desafios, e aprende a obedecer aos comandos, e isso é o mais importante”, conclui.

Mais informações: (49) 98422 6255
Assessoria de Imprensa


Nenhum comentário:

Postar um comentário