Rádio Gazeta On line

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Coluna Política Gazeta

CORRIDA ELEITORAL EM NOVO PATAMAR

Por Leonardo Secchi – Professor de Administração Pública
Dois acontecimentos nos últimos dias colocam a disputa para a Presidência da República em outro patamar. O afastamento declarado de Joaquim Barbosa (PSB) do processo eleitoral, anunciado na última semana, e a derrota da defesa de Lula no STF quanto ao novo recurso questionando a legalidade de sua prisão, embaralham novamente o jogo sucessório e afunilam ainda mais as pré-candidaturas para a formação da linha de largada da corrida para o Planalto.
CIRO GOMES EM ALTA
Enquanto todos os partidos permanecem especulando sobre o destino dos dez pontos percentuais alcançados por Joaquim Barbosa nas pesquisas de opinião, um candidato em especial, Ciro Gomes (PDT), pode festejar o vácuo eleitoral que se forma entre a esquerda e o centro, faixa em que ele vem atuando desde que se lançou na disputa. Se até o momento Ciro Gomes vinha pisando em ovos em sua relação com o PT, ora sendo cotado para vice, ora sendo apontado como alternativa da esquerda na ausência de Lula, agora pode atuar mais livremente, fazendo acenos até para partidos de centro, uma vez que suas possibilidades de ir ao segundo turno aumentam bastante.
PT E BOLSONARO
O virtual banimento de Lula destas eleições, pela Lei da Ficha Limpa, agravado agora com a perspectiva de ficar por mais tempo preso, coloca seu partido na incômoda condição de ter que manter uma candidatura apenas simbólica, servindo tão somente de suporte para o ânimo da militância, sem nenhuma garantia de que haja efetivamente uma transferência de votos, lá adiante, para algum candidato do PT que consiga alcançar dois dígitos nas pesquisas eleitorais. No outro extremo, a candidatura de direita de Bolsonaro (PSL), sem o contraponto da esquerda com quem possa marcar o antagonismo, passa a correr sérios riscos de esvaziamento, em benefício de candidatos mais ao centro.
SEGUNDO TURNO AO CENTRO
Neste cenário, ao invés de termos uma eleição polarizada entre esquerda e direita, poderíamos ter, no segundo turno, uma disputa inédita nestas últimas décadas, entre centro-esquerda e centro-direita, com Ciro Gomes e Marina Silva (REDE) lutando para ser o representante do primeiro polo, enquanto Geraldo Alckmin (PSDB) e, possivelmente, Álvaro Dias (PODE), lutariam para formar o segundo polo. Nesta perspectiva, não restaria aos militantes de ambos os extremos do espectro político brasileiro outra alternativa: resignar-se a apoiar um candidato mais moderado, mais próximo ao centro.
CENÁRIO INCERTO
É claro que ainda pode acontecer muita coisa até outubro. Até o aparecimento de um novo outsider, coisa que o brasileiro de hoje parece teimar em querer. Mas o tempo está se esgotando, pois só faltam menos de cinco meses para o dia da eleição e isso significa pouco tempo para alguém novo se apresentar como candidato ao eleitor. Veremos.
OPINIÃO
Se você é um dos leitores que têm opinião formada sobre o assunto em questão, entre na nossa Fanpage e no Instagram, comente e debata: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário